Júri Internacional Curtas-Metragens

Paulo Trancoso

Portugal

Paulo António Rodrigues de Noronha Trancoso nasceu em Lisboa, a 22 de Maio de 1945. Frequenta o Liceu Pedro Nunes. Cursa Medicina em Paris (3 meses) e Lisboa, mas em 1969 é chamado para o serviço militar e abandona. Durante o serviço militar consegue tempo para fazer um curso de cinema, o primeiro ministrado no então Instituto de Novas Profissões. Retornado à vida civil ingressa na agência de publicidade Ciesa, onde trabalha com tv producer. É aí que começa a realizar alguns spots publicitários. Colabora na revista Enquadramento. Em 1978 funda a sua própria empresa produtora que, em 1982, tomará o nome de Costa do Castelo Filmes. Trabalha sobretudo em publicidade. Em meados dos anos 80, com o advento do home video, é um dos sócios da Publivideo e uma das pessoas que está na raiz do projeto de televisão privada que mais tarde daria origem à SIC. No princípio dos anos 90 funda, com o brasileiro Walter Arruda, a Máquina dos Sonhos, uma empresa de produção de televisão que fará as séries Procura-se (RTP, 1992), Giras & Pirosas (SIC, 1992), A Viúva do Enforcado (SIC, 1993) e a telenovela A Banqueira do Povo (RTP, 1993). É durante a produção desta última que a Costa do Castelo abandona a Máquina dos Sonhos. Para além da produção de filmes portugueses Paulo Trancoso (sempre na Costa do Castelo) é responsável pela produção executiva de alguns filmes estrangeiros rodados em Portugal, como The House of the Spirits, de Billie August (1993), La Reine Margot, de Patrice Chéreau (1994) ou Dans la Cour de Grands, de Florence Strauss (1995). Tem também uma presença relevante como editor de vídeo, sobretudo no campo dos clássicos. Homem multímodo no seio do cinema, televisão e publicidade, Paulo Trancoso tem como ponto alto da sua carreira A Selva.

Michael Dudok de Wit

Reino Unido

Michael Dudok de Wit nasceu em 1953 e foi educado nos Países Baixos. Depois da escola, estudou gravura em Genebra e animação em Farnham, Inglaterra, onde realizou o seu primeiro filme, “A Entrevista”. Depois trabalhar em animação durante um ano em Barcelona, mudou-se para Londres, em 1980. Trabalhando como freelance com diferentes estúdios, em particular com a companhia de produção Richard Purdum Productions, realizou e animou muitos anúncios vencedores de prémios, para televisão e cinema. Em 1992 realizou a curta-metragem “Tom Sweep”, seguido de “The Monk and the Fish”, no estúdio Folimage, em França. Este filme foi nomeado para um Oscar® e ganhou um César. A sua curta-metragem mais conhecida, “Father and Daughter”, ganhou o Grande Prémio no CINANIMA, no Festival de Annecy, o Oscar ® e um BAFTA. Em 2004 completou a curta-metragem “The Aroma of Tea” e recentemente terminou a sua primeira longa-metragem, “The Red Turtle”, co-produzido pela Prima Linea Productions, França, e outros estúdios, entre os quais o Studio Ghibli, Japão. Esta longa-metragem foi nomeada para o Oscar® em 2017 e foi distinguida com o Prémio Especial Un Certain Regard no Festival de Cannes, para além de ter recebido inúmeros prémios noutros festivais internacionais.
Michael Dudok também ilustra livros de crianças e ensina animação em universidades de Belas Artes em Inglaterra e noutros países. O seu estilo de desenho caracteriza-se pelo uso de sombras fortes e paisagens simples, mas evocativas.

Ferenc Mikulás

Hungria

Ferenc Mikulás nasceu a 17 de Agosto de 1940. Na primavera de 1957, por causa da sua participação na Revolução Húngara de 1956, foi expulso da escola secundária. Trabalhou, então, como funcionário não qualificado e, mais tarde, como topógrafo geodésico. Escreveu guiões e realizou curtas-metragens. A partir de 1970, começou a familiarizar-se com filmes de animação no Pannónia Film Studio. É, desde 1 de Junho de 1971, diretor do Kecskemét Animation Studio onde foram produzidas várias séries e curtas-metragens baseadas em ideias suas. Em 1993 torna-se diretor do Kecskemét Animation Film Festival que teve o seu início em 1985 por sua iniciativa. O “KAFF” tornou-se um festival internacional em 1996,quando convidou para a competição longas-metragens e filmes de televisão europeus. Nos últimos 30 anos tornou-se no maior evento de animação bianual da região. Entre 1997 e 2000 foi membro do conselho administrativo da ASIFA (Association Internationale du Film D’Animation). Foi ainda membro de vários júris internacionais em festivais que se realizam por todo o mundo.