Júri Seleção Curtas-Metragens


Paulo D’Alva

Portugal

Licenciado em artes plásticas – ESAP – Escola Superior Artística do Porto. Mestre em ensino das artes visuais na Universidade de Aveiro.
Iniciou a sua carreira no cinema de animação em 1995, trabalhando como animador e co-realizador em várias curtas-metragens, destacando-se a série “Alfredo”. Em 1997 realiza sua primeira curta-metragem, intitulada “A noite cheirava mal”, participando em mais de uma centena de festivais nacionais e internacionais arrecadando um total de 11 prémios, entre eles o Grande prémio e o Primeiro prémio OURO do Festival de cinema “10 International Juvenale Klagenfurt” Áustria 99. Em 2013 realiza o seu segundo filme intitulado “Carrotrope” produzido nos estúdios do Bando à Parte, onde colaborou como realizador e animador em vários projectos. “Fim da Linha” é o seu último filme.

Maria João Martins

Portugal

Jornalista, escritora e professora de Historia Social da Moda, nasceu em Vila Franca de Xira em Junho de 1967.
Colaboradora regular da Visão, Notícias Magazine, Volta ao Mundo e Máxima, iniciou a carreira jornalística no Diário de Lisboa, aos 20 anos. Depois do encerramento deste título histórico, foi redactora do semanário Sete e do Jornal de Letras, Artes e Ideias, onde trabalhou durante 20 anos. Teve um programa de autor na RDP-Antena 2 foi assessora de imprensa do Instituto Camões. Entre outros Prémios Jornalísticos, foi distinguida com o Prémio Revelação em Reportagem do Clube Português de Imprensa e com o Prémio Júlio César Machado da Câmara Municipal de Lisboa.
Licenciada e mestre em História pela Faculdade de Letras de Lisboa, tem publicados vários livros nesta área disciplinar como O Paraíso Triste – A Vida Quotidiana em Lisboa durante a IIª Guerra Mundial (1994). O Pecado não Mora ao Lado – O Estado Novo contra a Sedução (1999) ou História da Criança em Portugal (2014). Na área da ficção publicou os romances Escola de Validos (2007) e Como o Ar que Respiras (2011). Em 2016 estreou-se no género biográfico, com um livro que evoca a vida e o trabalho da jornalista Margarida Marante.

Matos Barbosa

Portugal

Cineclubista, fez parte do grupo que iniciou o movimento criador da actual FPCA (Federação Portuguesa de Cinema e Audiovisuais), de cujos corpos gerentes fez igualmente parte. Esteve na representação portuguesa na UNICA em Oestende (Bélgica), Colónia (Alemanha) e Saint Nazaire (França). Tem sido júri em vários festivais nacionais e internacionais. Em 1984 e 2005 foi presidente do Júri do CINANIMA. Com uma extensa filmografia (constituída por obras de animação e documentários), os seus filmes foram premiados na Alemanha, Andorra, Angola, Áustria, Bélgica, Espanha, França, Itália, Moçambique, Portugal e Rodésia. Desenhador, é também autor de uma significativa obra de ilustração e banda desenhada. É autor de “Vamos Andando”, um dos mais significativos documentários do cinema português. Entre 2008 e 2010, retoma a realização cinematográfica para dirigir com o apoio do ICA/Ministério da Cultura e da RTP, uma curta-metragem de animação sobre textos de Raúl Brandão e com a voz de Joaquim de Almeida.